2 de maio de 2008

Cantatas

Uma doce melodia
Na madrugada de tantas ausências...
Cantatas profanas
Em noites sagradas.



Vozes límpidas glorificam a vida
Entre uma xícara e outra
de café...


Minhas lembranças
São intervalos risonhos
Minhas palavras...
Já não sei.
Talvez mera tentativa
De sentir-me humana.
E nada mais.


A noite é alta
Entre xícaras de café, a vida
Entre pensamentos e sussurros, tesouros.

Caço palavras como quem caça borboletas...

4 comentários:

De Marchi ॐ disse...

Opa, gostei!
"Caço palavras como quem caça borboletas..."

Mario Ferrari disse...

Sua poesia tem um lirismo melancólico e profundo. É encontro da alma.
Lindo Vanessa!

Aden disse...

Ola Vanessa, sou amigo do Mário...adorei este poema...alguém já tentou musicá-lo ?

Muita inspiração !!!

Vanessa Marques disse...

Oi Aden, ainda não...

Um abraço!