26 de maio de 2008

A prisioneira do rochedo


Como vou viver sem ti, meu desejo?
Como não tocar tuas mãos?
Sonho contigo em meus braços,
Vejo-me a beijar tuas faces, tua boca,
Tua pele. Meus olhos estão nos teus.

Como vou continuar sem tua presença,
Longe de ti, fêmea pulsante por inteiro,
Sem roçar teus quadris com meus lábios,
E sentir teu arfar de prazer e felicidade
E enlaçados nos amarmos delirantes?

Quero teu corpo tatuado no meu,
Soltar as amarras que te prendem.
Quero me perder em ti, em teu ventre,
Estar dentro de ti, tua vulva quente,
Teu olhar pedinte, tua explosão...

Como preciso de ti, meu desejo,
De ti, minha paixão, estrela reluzente
Que voltou a brilhar antes para mim,
A crescer alma e mulher, livre, linda...
É assim que vou te amar, única e íntegra,

Um instante antes de abrires as asas,
Uma eternidade de êxtase e prazer,
E exausto consentir com tua partida
Como teu mais terno e impossível amante,
Triste & feliz ao abençoar teu vôo.

5 comentários:

Vinícius Castelli disse...

Será que podemos amar infinitas vezes, infinitas pessoas??

Por uma infinidade !!!

bacio

Aden disse...

Amar uma vez, infinitamente...parece bom também...
Querido Mário, este trabalho que tenho atualmente quase (digo quase !) me rouba a poesia da criação, pois nos últimos dois anos convivo com uma realidade que une o inútil ao imbecil...compus pouco...e isso me tem sido cobrado.
Agora voltarei a tocar, ao meu ofício original e, certamente poesias inspiradas e verdadeiras como as suas e de seus amigos me ajudarão muito.
Vc prefer o café num ambiente específico ou pode ser uma modalidade caseira ? Na outra semana para mim, é a semana...

De Marchi ॐ disse...

Mario, que todos os olhos leiam isto (preferencialmente os certos, os ilegíveis). Poesia lindíssima e (nem precisa dizer) recém-saída do forno, não é?

Mérci disse...

Transpirei,
Vivenciei cada linha...
A prisioneira do rochedo deve neste momento estar agraciada,embevecida,embasbacada!!!
Parabéns poeta,
Você é o mago dos sonhos!
abraços

Edmea Thea Belladonna disse...

Oh Dioniso, filho da grande mãe, acolhe esse bom poeta apaixonado que te pertence.
Feliz daquela que é alvo de seu amor!
Lindo poema, Mario, muito lindo!

Um beijo
Edmea Thea