31 de maio de 2008

Ocupas tudo em mim


Como dói fundo e deliciosamente isto!
Ocupas tudo em mim,
És a cadência de minhas ondas.
Não sei de amanhã e nem quero saber...
Vertiginoso torvelinho de meus desejos,
A sereia ferindo meu olhar,
Quase a não suportar teu canto,
Fico desesperadamente à deriva
Pois amo. Na minha louca paixão amo
E dissolvo todas as culpas e pecados
Em teu nome, volúpia de meu querer.

Amo teu poderoso ser com todos os defeitos:
As marcas do implacável tempo,
A insensatez, tuas bobagens,
As sombras de teus olhos, o teu premeditar,
Até tua beleza e tua humanidade...
E amo ainda mais que tudo
O que és nos teus anseios,
Nos sonhos onde te permites inteira.

Ocupas tudo, como um mar incontrolável,
Que da rocha vejo e almejo buscar,
Minha ninfa lasciva e lânguida,
Poderosa fêmea cálida e tântrica
Que espero a não conseguir resistir.
Vem mulher, vem...
Que venhas, pois,
Ah por tudo que de mim é ser e amar,
Que venhas...

2 comentários:

merci disse...

Estarrecedor...
És um poeta de contos de Fadas.
Lindo o teu amar,
Seu poema é o encanto do meu sonhar...
Abraços grande poeta

De Marchi ॐ disse...

no comments... :)