23 de julho de 2009

Entre Mundos


Que pensa você, Anjo?
Que sente?
Nada:
Você,
O Amor pela Criação,
O Amor absoluto e incondicional,
O braço do Um,
O primeiro ato,
O Entremeio de ser e nada...

Você é tudo isso. Você É, não sente...
É a Palavra, mas não o coração!

Arcanjos, Serafins, Querubins, todos não tem paixão.
São a Anunciação, a Justiça, o Velar Eterno...
Aqueles que, debruçados sobre qualquer coisa viva, dizem
“Cresce, Cresce”...

São os portadores do êxtase e do retorno.

Eu, anjo caído, este de asas escuras e com alma,
Contaminado por acontecer na carne,
Desfigurei-me em sentir...

Aquele que cai
Não é mais anjo.
Vive o arrebatamento!
Ele não é mais Aquele que o traz!
Sente-o, entrega-se humanamente a ele.
Seu amor é Amor & Ódio,
Dor & Raiva, Desejo & Sina,
Esse que nasce é
Tentativa & Erro,
Vida & Morte!
Medo!

E por pena será a velha dicotomia:
Alma & Espírito.
Ser & não Ser, Coração & Mente,
Instinto & Pensamento.

Eu “desejei”, Anjo!
Ah, eu vim para “Ser Carne”,
Ter sentidos, Pathos!
O anjo caído é isso: Vontade.
A mais pura, simples e dolorosa Vontade.

Você anuncia
Eu só posso ter presságios...
Você vinga,
Eu peco.
Você é acima do bem e do mal
Eu...
Eu faço o bem
E o mal.
A Escolha, a difícil e adorável arte da Escolha!

Irmãos entre mundos a acontecer, eu e você...
Assim é e assim seja.

3 comentários:

Vanessa Marques disse...

Bravo!!!

Assim é e assim seja!!!

Beijo!

*** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
*** disse...

Não resisti Mario...voltei pra ler e reler..rssss

BJs
Vanessa